História

Há cerca de vinte anos muito havia para fazer na redução das embalagens supérfulas, na reciclagem de resíduos urbanos, na integração das políticas de gestão que regulassem o mercado dos resíduos e organizassem cada fluxo de forma a garantir uma resposta sustentável, abandonando o paradigma da gestão linear de detritos.

O unico material a ser recolhido seletivamente a nível camarário correspondia às embalagens de vidro, mas nem todo o território se encontrava abrangido por estes dispositivos de deposição,recolha, transporte e encaminhamento final.

Esta realidade fomentou o desenvolvimento de um estudo sobre a “Caracterização dos Resíduos Sólidos Urbanos e Inventariação dos Locais de Deposição em Portugal”, realizado pela Quercus em 1995, com o intuito de efectuar uma abordagem global e integrada da gestão dos resíduos urbanos em Portugal. Este estudo dava conta da ausência de dados fiáveis e atualizados sobre a situação nacional, sobre o encaminhamento dos resíduos em Portugal e refletiu as enormes deficiencias da época, entre as quais a deposição de resíduos em vazadouros em 85% dos concelhos, a ausência de de destinos tecnicamente adequados respeitando os critérios definidos a nível comunitário.